quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Feliz Ano Novo! Feliz Ano Velho!

Filha,

2009 foi um ano importante. O ano em que você aprendeu a andar com as próprias pernas. O ano em que você aprendeu a falar e, mais que isso, exprimir os seus desejos sem ter que berrar por isso. O seu primeiro ano de vida. O ano em que a nossa bebê começou a se tornar uma pequena menina.
Me espanto de ver o quanto você cresceu. A cada dia me surpreendo com o seu tamanho, com a sua desenvoltura; quase não reconheço a bebê que no ano passado estava nos meus braços, mamando no meu peito.
Outro dia mesmo começou a falar mamãe, hoje forma pequenas frases. Ontem mal andava, hoje corre, dança, rodopia. O tempo tomou outra medida desde que você nasceu. Não passam mais os dias. Passa você. Cresce você. A medida do nosso tempo é você. E a recompensa é ver essa criança feliz que você está se tornando. Todo o resto ficou muito menos importante. Essa é tão falada nova dimensão que a vida ganha quando um filho chega.

Mas filha, 2009 não foi perfeito. O balanço geral foi bom. Mas não há ano 100% bom. Não há nada 100% bom. Acostume-se com isso. Nossa vida é de altos e baixos. De bom e de ruim. De doce e de amargo. E é isso que nos impulsiona filha. Essa incerteza, essa esperança de que sempre tudo vai melhorar, que a gente vai emagrecer, que amanhã vai fazer sol, que o salário vai aumentar, que a gente vai ganhar na loteria, encontrar o grande amor, se curar da gripe, ligar o rádio e escutar a música preferida... a incerteza e a expectativa é que dão gosto à vida.
Minha vida não é perfeita. Nem a sua será. Portanto, aproveite as marés altas. Saiba saborear os bons momentos. Agradeça a cada dia feliz que passar. Não se lamente pelos leites derramados. Não condicione a sua felicidade aos momentos futuros. Quando eu crescer. Quando eu casar. Quando eu passar no vestibular. Quando eu me formar. O futuro não é garantia de felicidade. Aproveite o agora. O hoje. Valorize as pequenas alegrias. Cresça saudável e forte. Divirta-se. Seja intensa e apaixonada. Viva livre e feliz. Sempre.

Que esse espírito de contentamento contagie todos nós em 2010.

Feliz Ano Novo!!!!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Poucos dias para terminar 2009. Pausa para descontrair. E notícias do Natal.








Ano quase acabando. Sensação de partida de futebol aos 45 do segundo tempo. Tentando resolver tudo, prazos, pendências, arrumar armário, fazer luzes no cabelo, emagrecer... nossa, a lista de resoluções de 2009 ainda está pela metade e só faltam 03 dias para o ano acabar...
Mariana, se há um verbo para 2009 foi TENTAR.
Sua mãe passou o ano tentando. Tentando dar conta do recado. Tentando ser boa mãe. Tentando ser boa advogada. Tentando ser boa mulher para o seu pai. Tentando praticar yoga. Tentando prosseguir com a dança do ventre. Tentando emagrecer. Tentei. Não sei se consegui à altura das expectativas, minha e dos outros. Talvez tenha sido como o pato, que nada, voa, anda e bota ovo e acaba não fazendo nada muito bem. Mas é assim que eu sou. Em primeiro, primeiríssimo lugar, tentei ser boa mãe.
E em 2010, filha, vou continuar tentando ainda mais. Pode confiar!


****************************************************************************
E aí, entre uma coisa e outra, vejo o Google Analytics e me permito uma pausa para momentos de pura diversão....

Olha só o que o povo anda procurando por aí...

Bonequinhas com a mão para o alto (Barbie assaltante? Será?)
Como distrair uma criança quando ela enche o saco? (ah se eu soubesse....)
Como distrair uma criança de um ano. (idem, idem...)
Criança que cai, desmaia e vomita (meu filho, desliga esse computador e vai pro hospital!)
Como fazer exame de urina em bebê (essa a titia já ensinou aqui nesse blog)
Criança sonolenta após bronca. (menina, que bronca mais entediante foi essa?)
Eu uso higiapele para limpar o rosto. (eu também! Eu também! Foi a Lia que me ensinou, mas amiga, me diga, o que é que o google tem a ver com isso?)
Qual o time de futebol da Mariana (até agora acho que Corinthians, aê Timão!)
Sensor para fralda suja (Existe isso? Onde vende?)
Você é meu coração te pego no colo te joguei no chão (uhuuuuu!!)

*************************************

Em tempo. O Natal foi ótimo. Ano passado Mariana tinha quatro meses e não entendeu nada do que aconteceu. Esse ano gostou de ganhar presentes, aprendeu a falar "Pel" (neologismo para Papai Noel) e peitcho (fala assim “cadê peitcho mamãe?”... “ó peitcho mamãe”...praticamente uma filha do Seu Creyson). Ganhou duas casas, um carro, uma moto, uma mesa e uma cadeira. Pode perfeitamente ir morar sozinha. E adorou panetone. Enfim, Natal em família, junto dos que amamos, comilanças, presentes, crianças...tudo o que faz esse dia muito feliz. Valeu Papai Noel! Ops...Pel!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

So this is Christmas


Mariana,

É Natal. Ao longo da sua vida você vai ouvir muitas críticas à data. Sempre relacionadas a consumo, comércio, ninguém se lembra mais do verdadeiro significado do Natal e coisas do gênero. Se você já está lendo esse texto por conta própria, certamente já te ensinei o verdadeiro significado do Natal. Então não preciso ficar aqui te repetindo. Assim, vamos partir da premissa que Natal é celebração do nascimento de Jesus e quanto a isso não temos dúvida. Mas, de tanto as pessoas comemorarem esse nascimento, foram surgindo as tradições todas, e o que começou numa manjedoura e alguns reis magos, terminou no Shopping Center com foto de Papai Noel a R$ 5,00 contos a unidade. E entre uma ponta e outra, o que há? Só o que criticar?
Não. Claro que não.
Minha memória de Natal é maravilhosa, filha. O cheiro do peru assando. Minha avó Hebe fazendo doce de castanhas. O dia que essa minha avó se vestiu de Papai Noel e as calças caíram bem na hora da entrega dos presentes. Eu e meus irmãos montando a árvore de Natal. A rosca de nozes. O meu irmão Matheus dando curto-circuito nas luzinhas de Natal. O cheiro de panetone. Minha bisavó Catarina subvertendo o Natal e me mostrando os presentes já comprados e guardados em cima do guarda-roupa. Meu pai fatiando o peru.Os exageros de presentes que eu e meus irmãos ganhávamos do trio vó/tia avó/bisavó. Meu pai penando para montar e colocar pilha nos muitos brinquedos que ganhávamos.Os poucos Natais com meu único tio, sua mulher e meus únicos primos, hoje tão distantes. O entusiasmo da minha mãe com a data, enfeitando a casa, comprando árvore e cozinhando para um batalhão, mesmo que nossa família tivesse apenas poucas pessoas. Minha avó Margarida, hoje tão velhinha. Os Natais já casada com seu pai, almoçando quatro vezes - na minha mãe, na mãe dele, na tia e no primo – só para não descontentar nenhum parente. As rabanadas da sua avó Marlene. O primeiro Natal que passamos na minha casa de casada, no ano que minha avó Hebe tinha morrido. O Natal em que eu estava grávida e, enjoada, não comi nada da ceia. O primeiro Natal nessa nossa casa, com você nos nossos braços, o maior presente do mundo.
As lembranças são muitas, filha. Você também terá as suas. E se forem doces como as minhas, é sinal que eu e seu pai fizemos um bom trabalho.
Mariana, Natal é sim data para celebrar. Como todos os dias da nossa vida.
E sem nunca perder de vista o verdadeiro significado. Como todos os dias da nossa vida.

Um Feliz Natal a todos!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

Esse Papai é Noel


Minha filha,

Não é a primeira vez que seu pai se veste de Papai Noel. Mas é a primeira vez que esse Papai Noel tem a filha nos braços. E você não imagina quanto ele sonhou com esse momento. Quantos Natais ele passou pensando quando a sua cartinha seria atendida e o presente que ele tanto pediu chegaria.
E chegou, filha. Você é o maior presente de todos. Nessa foto, de tantos papéis trocados, o pai virou Noel, e a filha virou presente. Sonhos se tornando realidade. O maior desejo foi atendido. No Natal, época de emoções à flor da pele, impossível não nos emocionarmos com a alegria de sermos três.
Provavelmente você terá outras tantas fotos no colo do Papai Noel. Mas nenhum, filha, nenhum, nem mesmo aquele que mora lá no Polo Norte, te amará tanto como este aqui da foto te ama.
Papai Noel existe sim. O que eu achava que não existia era um pai como o que você tem.

O batizado da Dudinha






Duda, Dudinha, Maria Eduarda,


Somos os seus padrinhos. Você foi batizada. Sensação de missão cumprida, de satisfação, de alegria imensa por podermos ser parte importante da sua vida. Você é uma menina linda. Ficou quietinha, quase gostou quando o padre jogou a água na sua cabecinha. Não chorou um só minuto. Um exemplo. O dia estava lindo, a família toda reunida, todo mundo lá para presenciar esse momento tão importante. Que Deus te abençoe sempre meu amor!


Espero que alguém dessa família me mande alguma foto da igreja para eu substituir essa foto meramente ilustrativa da ocasião....Fico aguardando!!

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

O choro imaginário

Desde que Mariana nasceu, basta eu entrar no banho que começa. Ligo o chuveiro e junto com a água vem o choro imaginário. Ouço Mariana chorar. Desligo o chuveiro. Nada. Ligo novamente. Volta o choro. Conversando com outras duas mães semana passada, ambas me confessaram ouvir o mesmo choro.
Pelo menos não sou só eu....


terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Se tu vens às quatro horas da tarde, desde as três eu me sentirei feliz.

Minha pequena princesa,

A programação de domingo já estava acertada desde cedo. Café da manhã na padaria. Passeio na pracinha. Visita aos vovôs Mario e Marlene. Almoço nos vovôs Marisa e Roberto. E à tarde a exposição do Pequeno Príncipe, que termina no dia 20. Mas depois do almoço você, minha Pequena Princesa, virou Bela Adormecida e dormiu a tarde inteirinha.
É Pequeno Príncipe, desculpe o bolo da Pequena Princesa...o plano era realmente ir às quatro da tarde...


A Pequena Adormecida. Se resolver virar miss, compro um exemplar do livro.





Programação com crianças: nem sempre termina do jeito que a gente planejou.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

As dicas da Sil



Como comentários ao post Para Lia ,minha amiga Sil deu dicas valiosíssimas para as futuras mamães. A Sil é a irmã que Deus me mandou por outros meios que não o sangue. Hoje, além de melhores amigas, somos comadres, motivo imensa alegria para mim.
Para que as dicas não se percam, reproduzo-as, sem autorização prévia, assumindo os riscos de uma bronquinha mais tarde. Pelo conteúdo, Silvana está nos devendo um blog.

Pá,
faz tempo que não posto nada, mas vim deixar minhas dicas. São longas. Sobre amamentação e sobre amor.

Sabe, Lia, minha mãe nunca conseguiu amamentar nenhum de nós três (eu e meus irmãos). Dizia que não tinha bico no seio. Eu tinha mto medo de ser incapaz tb. Mas ninguém é. Amamentar é possível, intuitivo, fácil até, mas requer certo comprometimento. Então, lá vai:

a) nos primeiros dias a bb não vai sugar quase nada. É assim mesmo, TODOS perdem peso na Maternidade e já nascem c/ reserva de gordura prá isso. O colostro é pouquíssimo. Não se impressione se falarem: "já dormiu? não!acorde prá mamar mais!". Eu chorei de insegurança na maternidade com isso. Mas nenhum bb morre de fome sem antes berrar pedindo peito! Acredite: sua filha já nascerá sabendo lutar para viver!!

b) não deixe ela te machucar. Se sentir dor, ponha o dedo mindinho no canto da boquinha e a posicione de novo no seio. Assim, evita maiores complicações. É horrível amamentar qdo o seio está machucado e, fazendo assim, vc evita passar por isso.

c)é mentira q amamentar dói. Lenda da patrulha do "vc não consegue". Não dói nada. Se a bb fizer bocão prá pegar o seio não vai doer. E a boca de peixinho indica q tá tudo bem (essa quem me ensinou foi a madrinha do meu filho, né, Pá?? rsss);
d) o ruim, eu acho, é ficar parada na mesma posição, feito estátua, por horas. Caso contrário o bb perde a "pega". Dai, prá evitar isso, acredite, vc vai ficar paradinha...rss

e) não rola isso de 15 minutos em cada seio e, "voilá", tudo acabou...o bb mama, mama, mama...O meu mamava, nos primeiros três meses, prá dormir, da Malhação até o final do Caminho das Índias...rsss...e eu lá, imóvel. É assim mesmo. Sai pouquinho leite e eles são bem vagarosinhos no começo. Depois, sim, é tudo + rápido;

f) o Lansinoh ajuda e mto. Mas uma pomada rende prá um ano e vc vai usar só no começo. Não faça igual eu, q tinha um estoque de SEIS em casa...rsss. Ela é cara. Poupe seu din-din prá outras coisas;

g) no começo o organismo produz mto mais leite q o necessário. Use as conchas q evitam q o seio empedre. E ponha a bb prá mamar qdo estiver cheio demais. Mas, mesmo assim, o bico do seio, às vezes, fica mto cheio. A boquinha da bb pode escorregar e gerar dificuldades na "pega".
Eu passei por isso numa fase. O Marcelinho não pegava o seio de jeito nenhum de madrugada. Tentava mais de 15 minutos.
Daí, eu descobri que com o bico vazio ele pegava bem mais fácil. Passei a esvaziar o bico antes da oferecer o seio. Já o oferecia ao bb bem molinho. E paramos ambos de chorar...rsss.
Já hj, ele pega meu seio até qdo eu vou desligar o abajur (tipo assim: no ar!!! rss);


h) tente, nisso insisto, TENTE MESMO, dar peito deitada. O bb virado prá vc, ambos de lado, barriga-com-barriga. Vc vai ver como é bom poder cochilar com sua bb mamando tranquilamente. Eu canso de fazer isso. Durmo c/ ele mamando até hj. Cochilo quase sempre, especialmente qdo ele mama de madrugada. Ele tem dez meses, teve a primeira febre aos nove e é um tourinho.

i) mas, se nada disso der certo, desencane da amamentação. Eu dei Nan no começo, por influências externas e foi bom, no meu caso, pq me dava tranquilidade qdo saída de casa e sabia q o bb não morreria de fome. Antes do Nan, eu me vi dirigindo perigosamente algumas vezes, qdo a hora da mamada se aproximava... Ou seja, seja razoável e descubra o q fará com que a relação de vcs seja saudável.

j) o mais importante é o amor da mamãe. Sua será feliz do mesmo jeito, seja mamando no peito, seja na mamadeira. Não há perfeição.

k) e, por último, deixo a vc a minha dica mais importante. Essa aprendi com um grande amigo, psicanalista famoso: amor nunca estragou ninguém. Amor é amor. Só faz bem. Se vc achar q está beijando mto sua filha, meu conselho é: beije mais!! Se achar que abraça muito, é porque está abrançando pouco...
E, nunca, jamais, por motivo nenhum, faça com sua filha o q não faria com a filha da vizinha. Exemplo: vc gritaria com a filha da vizinha se ela quebrasse um copo? Não? Então sua filha tb não merece bronca por causa disso. Guarde esse sábio conselho!!

Amemos, pois, nossos filhos.
E nos amemos igualmente, pq nada gera mais prejuízo emocional a alguém q, ter, na infância, uma mãe infeliz.

Assim, faremos desse, um mundo melhor prá se viver. Cheio de adultos felizes, respeitadores e éticos. Essa será a nossa revolução.

Bjs, boa sorte! Q sua jornada seja tão incrível qto tem sido a minha!

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Para Lia



A Lia está chegando na reta final da gravidez. Período de ansiedade, acho que das maiores que há na vida. Eu, pelo menos, ansiava pelo desconhecido. Como seria ser mãe? Minhas dúvidas não eram filosóficas. Eram práticas. Eu saberia trocar fraldas? Conseguiria amamentar? Saberia cuidar de alguém 24 horas por dia? Eu seria boa mãe, no sentido prático da coisa? Porque instinto maternal eu nunca tive muito não... Nem nunca fui muito fã de crianças, assim no genérico. Gostava (e gosto) de crianças específicas. Das minhas sobrinhas e dos meus afilhados e de uns sobrinhos emprestados (e agora uns virtuais) e é só. Daí a dúvida. No final da gravidez encasquetei que não queria mais que Mariana nascesse. Que ficasse na minha barriga, que lá eu sabia o que fazer. Mas, claro, ela nasceu e me considero uma boa mãe. De novo, não no sentido filosófico, mas no sentido prático mesmo. Me saí melhor do que esperava no setor da puericultura. Soube trocar fraldas com facilidade. Amamentei sem problemas. Soube dar banho de primeira, sem ajuda nem nada. E me virei bem de uma maneira geral. Penei em alguns momentos, mas hoje tudo está muito mais fácil. Um ano e quatro meses de experiência devem valer alguma coisa.
E assim, na qualidade de amiga virtual, quero presentear a Lia com o pouco que aprendi nesse que foi o período mais intenso, mais cansativo e ao mesmo tempo mais prazeroso de toda a minha vida:

1. É fato que você vai dormir pouco. Mas a gente se acostuma a dormir menos. Juro. Antes da Mariana nascer eu dormia 10, 12, horas seguidas. E hoje, mesmo dormindo a metade disso, fico inteira no outro dia. O corpo se acostuma.
2. Nenhum bebê é igual dois dias seguidos. Sábio conselho da minha mãe. Hoje não dorme, amanhã dorme. Hoje está de mau humor, amanhã tudo volta ao normal. Hoje come à beça, amanhã não come nada. E por aí vai. Então não vale à pena se desesperar por pouco.
3. Nas horas de desespero (muito choro, muita cólica, muito cansaço) mentalize o mantra: vai passar. Porque passa, viu?
4. Faça back up das fotos. Perdemos TODAS as fotos da Mariana do nascimento até os seis meses, incluindo maternidade e batizado. É. Deu pau no computador e não tínhamos back up. Conseguimos recuperar algumas com minha mãe e meu irmão, mas quase tudo se foi. Cuidado!
5. Talvez o primeiro mês seja fácil para você. Mas se não for – e para mim não foi - garanto que assim que se passarem os primeiros trinta dias, tudo parece que se ajeita. Não sei o que acontece, mas com um mês tudo melhora.
6. Ouvidos de mercador para os palpites. Basta você ser mãe para todo mundo saber mais do que você. Não esquente, não sofra com isso, finja que aceitou e siga sua vida. Desconsidere até mesmo esses meus palpitinhos, se não te servirem de nada!
7. O pediatra não é Deus. Não é porque ele disse que você tem que seguir 100%. Eu escuto e filtro. Faço o que bem entendo muitas vezes e tem dado muito certo.
8. Siga a sua intuição. Acima de tudo e de todos. Costuma dar mais certo que qualquer outra coisa.
9. E last but not least, prepare-se: O maior amor do mundo te espera, bem aí na sua barriga!


Lia, esse é o meu presente de chá de bebê virtual para você. Espero que te sirva!

Convido as demais blogueiras a presentearem a Lia com as suas experiências pessoais!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A busca da escola perfeita

Mariana vai para a escola
Termino a frase sem ponto, porque não sei ainda se é uma afirmativa ou uma interrogação.
Muito cedo? Não sei.
Escola grande? Pequena? Média? Não sei.
Proposta pedagógica? No idea.
Atividades extra, como natação, ballet, yôga, salto triplo, luta greco-romana e ikebana. Será que precisa?

Ai, ai...

Simplesmente não sei. Visitei quatro. Todas diferentes em todos os aspectos, tendo como único ponto comum serem perto de casa. Uma é bem pequena, não gostei tanto, mas tive várias boas indicações. Uma é cheia de diferenciais frescurentos, não sei se faz minha cabeça. Outra tem classes até o ensino fundamental, não sei se Mariana é muito pequena para uma escola daquele porte. A última me pareceu acolhedora, mas não sei, não sei, não sei...

Coisas que me chamaram a atenção:
• numa delas as crianças estavam ensaiando a festinha do final de ano. A música estava milhões de decibéis acima do limite suportável. Não estranharia se essas crianças chegassem em casa todas neuróticas.
• noutra ouvi uma menininha dizer que a música que ela vai dançar na festa do final de ano será o tema da Hannah Montana. Me digam, com tanta cantiga de roda precisa mesmo uma criança de 5 anos dançar música de Hannah Montana? Será que tem que ser assim mesmo ou eu que estou sendo freak demais ao achar a escolha péssima?
• somente em uma a diretora convidou marido e avós para conhecerem a escola. Nessa mesma ela demonstrou bastante preocupação com a alimentação, suco só natural, pão integral...Dois pontos para ela!
• somente em uma cada salinha era acompanhada de seu respectivo banheiro, e no caso dos que usam fraldas, o banheiro tinha um lavatório, para lavar o bumbum na troca de fralda com cocô. Achei bem higiênico.

No mais, vários discursos sobre “socializar”, “o brincar”, “o lúdico”....tudo meio igual, parece discurso de político. Nenhuma me convenceu de grandes coisas não...

Pretendo visitar outras tantas até dizer “É essa!” com convicção.

E aí? Qual a escola perfeita? Será que existe escola perfeita? O que é mais importante para fazer essa escolha?

Comentários serão muitíssimo bem vindos!

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

O seu copo está meio cheio ou meio vazio?




Mariana,

Olha bem essa foto.
Eu e você na Aluaha, meu oásis no meio da correria do dia-a-dia. O lugar onde brinco de ser bailarina. Nós duas no intervalo da minha aula de dança do ventre. Você descansando no sofá enquanto eu admiro a sua beleza, a sua inocência, a sua companhia tão deliciosa e tão prazerosa. Você é minha companheirinha, e não imagina como é gostoso fazer você participar dessas atividades que eu gosto tanto. A foto foi tirada no outro domingo de manhã. Enquanto muitos nem tinham acordado, lá estávamos nós, ouvindo músicas lindas, vendo mulheres animadas dançarem, todas se preparando para o espetáculo de final de ano. Todos se encantaram com a sua presença, sempre animada, rodopiando para lá e para cá. Um domingo diferente. Que delícia é estar com você.

Agora olha de novo essa foto.
Eu e você na Aluaha, minha escola de dança do ventre. O hobby que eu insisto em praticar, embora quase não me sobrem minutos para isso. Te levei para o ensaio no domingo. Para chegar lá no horário, acordei cedo, te troquei, me troquei, fiz café, arrumei umas coisas, juntei toda a nossa parafernália, que incluía minha bolsa, sua bolsa, várias mudas de roupa para você (vai que chove, vai que neva, vai que vem o tsunami) o Pablo novo de pelúcia, leite, iogurte, colherzinha, uma espada e sabe-se lá mais o que. Você não parou um minuto. Corria no meio das pessoas que dançavam, se eu te tirava você chorava. Deixou o Pablo novo de pelúcia cair na água. Mexeu nas espadas das outras pessoas. Se lambuzou de iogurte. Quase não me deixou dançar. A foto foi tirada no único segundo em que você sossegou, exausta de tanto correr para lá e para cá. Terminei o ensaio morta de cansaço. Enquanto muitos nem tinham acordado, eu me sentia como se tivesse corrido uma maratona. Um domingo diferente e cansativo. Ficar com você é uma delícia, mas tentar conciliar todas as atividades é tarefa para mulher-maravilha.




Entendeu?
Eu posso contar a nossa história dos dois jeitos. Eu posso ver a nossa vida de duas maneiras. Posso colocar lentes cinzas e enxergar o mundo todo dessa cor. Ou posso enxergar o lado colorido; que é tão mais colorido desde que você chegou. Nada na vida será perfeito, filha. Esse é só um exemplo de como podemos encarar o nosso cotidiano. Se quisermos encontrar problemas, a tarefa será sempre fácil. Mas, te garanto, também é possível facilitar a vida, torná-la mais leve e mais doce. Você tem me ensinado a ver o copo sempre meio cheio. Você trouxe doçura à minha vida. E se posso te ensinar alguma coisa desde já, é viver de maneira a celebrar o cotidiano, deliciar-se com os pequenos prazeres e não se queixar a cada coisinha chata que te aparecer pela frente. Saber viver é uma arte a ser exercitada diariamente. Com a sua ajuda, tenho aprendido cada dia um pouco mais.

Obrigada meu anjo!

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

O primeiro exame de urina a gente nunca esquece.




Mariana,

Olha como a gente complica a vida.
Depois de mais de uma semana com febrinha, chorinho, tosse, noites mal dormidas e chatices tais resolvemos te levar ao pronto-socorro. A médica, cautelosa, além do tradicional raio-x do pulmão resolveu pedir um exame de urina. Febre, criança chorosa... Nunca se sabe. Podia ser infecção de urina.
E lá vai a mãe sem experiência atrás da enfermeira, esperando o copinho para coletar a urina, tal e qual adulto faz.

Mas qual nada.

Criança, óbvio, não faz xixi em copinho. Te colocaram foi um saquinho coletor (imagine um absorvente de plástico, com um buraquinho que te colaram na periquita), como me disse a enfermeira. E aí era só esperar o xixi. Ela me disse para ficar de olho, e quando você fizesse xixi, que a avisasse para ela tirar o treco.
Saí da sala com a enfermeira e fomos para a espera. No mundo materno, logo as mães solidárias me davam diagnósticos.


Uma:


- Vai colher xixi? iiiiiii, vai demorar, viu? Se prepara...Dá água pra ela.

Outra:


- Xiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii....coitada... O meu filho demorou quatro horas e não fez. Molha a mão dela.


Um pai:


- A minha fez mas o saquinho vazou e perdemos tudo. Molha a nuca dela.


Outro:


- Esse coletor inibe o xixi. Ela só vai fazer quando a enfermeira tirar o negócio. Molha sei lá o que dela.


E assim foi. Cada um com um prognóstico mais desanimador que o outro e uma dica mais mirabolante.
E lá fui eu me desesperando, tipo minha filha não vai fazer xixi, vou dormir aqui no pronto-socorro, esse exame de urina não vai rolar, amanhã teremos que voltar, será que vão por sonda, ai meu Deus, e agora, e agora, e agora?!?!
E aí liguei para minha mãe e contei meio tensa que você tinha que fazer xixi e que não estava fazendo, que isso, que aquilo...


E ela, bem calma:


- Pat, a Mariana faz xixi o tempo todo. Toda hora a fralda dela tá molhada. CLARO que ela vai fazer xixi.


E aí me veio a lucidez. Claro que ela ia fazer xixi. Como sempre faz. E relaxei. Vovó estava certa. Claro que você ia fazer xixi. Que desespero mais bobo...
E alguns minutos depois fui dar uma checada no saquinho e lá estava ele, o xixi, amarelinho da silva. Pronto para ser examinado.
Demorou. Mas não foi a noite toda. Nem vazou. Nem nada do que disseram. Drama totalmente à toa. Desesperar não leva a lugar nenhum. Cada vez mais me convenço disso.

Exame de urina. Mais uma para a minha lista de desafios de mãe de primeira viagem. Missão cumprida com sucesso!

Em tempo: o exame nem deu nada. Graças!

sábado, 28 de novembro de 2009

Hoje vou assim









Camiseta Hanky. Comprada no Baby Boom.

Tênis All Star, presente do papai.

Presilha de cabelo Petit Bebê, presente da Tia Débora.

Calça Carters. Comprada no Minha mãe que disse.



Minha mãe que disse é a minha nova perdição. Basta entrar lá para ficar imaginando Marianinha naquelas roupinhas lindas. Sem mencionar que a Roberta como vendedora é única. Você manda e-mail pra comprar a roupa e ela responde batendo um papo, ficando tua amiga, conhecendo tua filha. Embora o contato seja só por e-mail, o atendimento é pessoal e exclusivo. A entrega é rápida e ainda veio em embalagem delicada e com um cartão para lá de gentil. Super, super, super recomendo. E a propaganda é 100% gratuita, viu?




Hoje vou assim é o blog da Cris Guerra, que também tem o blog Para Francisco. Para os poucos que ainda não conhecem, também super recomendo.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009

O amigo secreto

Mariana e o livro. A cara feia é porque ela queria pegar a câmera.

Aos poucos os amigos-secretos estão se revelando. Toda hora tem post novo de alguém contando quem tirou ou por quem foi tirado.

A Mariana tirou a Nina e foi uma delícia escolher um presentinho para alguém da idade dela. Escolhemos o CD preferido da Mariana que, acredito, fará o maior sucesso lá pelas bandas de Orlândia. Muito em breve Dani e Marcão se pegarão cantando "O Sapo não lava o pé" no meio de seus respectivos expedientes. Se Nina gostar do CD como Mariana gosta, coitados, vão decorar todas as letras e inclusive a ordem das músicas. Um verdadeiro presente de grego para os papais. Mas foi de coração viu trio? Um beijão para vocês!

Quem tirou a Mariana foi o André, filho da Renata. A curiosidade é que na barriga da Renata tem uma mini Marianinha se desenvolvendo. Logo logo eles terão uma Mariana para chamar de sua, que delícia! Renata escolheu um livro lindo, que Mariana adorou de cara. Não parava de chamar o pai para ver as ilustrações e ouvir o barulhinho de mosquinhas que o livro faz. Um encanto. Lindo também foi o cartão, delicado como é o blog da Renata. Uma gentileza só. E André ajudou a escolher o presente! Sucesso total viu, André! Um beijão da tia Pat e da Marianinha.

O resultado da brincadeira não poderia ser mais positivo. Uniu pessoas que sequer se conheciam há poucos meses. Na verdade,acho que ninguém nesse grupo (ou talvez alguns poucos) se conhecem pessoalmente. Mas nesse universo incrível que é a blogosfera, mesmo sem nunca termos ouvido a voz uns dos outros, acabamos nos conhecendo intimamente, trocando conselhos e confissões. E esse foi outro grande presente que esse amigo secreto trouxe. Admirável mundo novo! Um brinde a todos os novos amigos virtuais! Cheers!

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Um minuto de silêncio


Mariana,

Nesse momento triste nas nossas vidas, momento de perda, momento de tristeza profunda, vamos fazer um momento de silêncio. Vamos rezar. Vamos acreditar que os desígnios de Deus têm propósitos além da nossa compreensão. Vamos ter fé. Vamos ficar unidos. Os sentimentos ruins vão se dissipar. No lugar deles, só o amor e a saudade. Vamos fazer um minuto de silêncio; e voltar quando essa dor parar de latejar.

Pedro, você viverá para sempre em nossos corações.

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Bruna


Bruna,

Você é a minha primeira sobrinha e também minha querida afilhada. Filha do meu irmão, sangue do meu sangue. Foi o mais próximo que cheguei do amor maternal antes da Mariana chegar. Com você aprendi a amar sem querer nada em troca. Com você tive certeza que também poderia ser mãe. Que esse amor também caberia em mim.
Você chegou numa manhã de novembro. Lembro direitinho que saí do escritório para ficar na maternidade esperando você nascer. O motivo era mais do que justo: minha primeira sobrinha iria nascer! Estávamos lá, a família toda reunida em volta do berçário. Os bebês iam chegando de um em um. Levava um tempo até que eles colocassem a plaquinha com o nome de cada criança. E aí chegou um bebê lindo. E sua avó Marisa, mesmo sem ver nome ou identificação, já se apaixonou por você e falou com certeza:
-É ela! É a nossa bebê!
Segundos depois tivemos a confirmação. Era você. Mas não precisava de plaquinha com nome. Vovó te reconheceu. Choramos felizes com a sua chegada. Dali a pouco chega seu pai, parecia que tinha crescido. Até mesmo em tamanho. Voltou da sala de parto importante. Era pai.
Fomos te esperar no quarto. Sua mãe tranquila, serena. Uma serenidade que sempre admirei. Parecia que já sabia ser mãe antes mesmo de você nascer.
E aí você chegou no quarto. Tiramos muitas fotos. Seu tio Fabio não cabia em si de tanta alegria.
E o resto é história.
Hoje você completa cinco anos. E é uma menina linda, esperta e gentil. Seus pais não poderiam querer filha melhor.
Bruna, meu anjo, te amo como amo minha filha. Conte sempre com essa sua tia Pat.
Uma vida de alegrias é o que eu te desejo.

Parabéns princesinha!

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Devaneios de cabeleireiro.


Mariana,

Essa foi a sua primeira ida ao salão de beleza. Sabe filha, sua mãe nunca foi fã de frequentar salão, fazer escova e essas coisas embelezativas que a vida vai te mostrar pouco a pouco. Não tenho a mínima paciência. E depois da sua chegada, me afastei de vez do programa. Só rola mesmo uma manicure no meio do expediente, já que o escritório onde trabalho tem esta facilidade. Mas a gente vai embarangando, embarangando e de vez em quando tem que se render ao mercado da beleza. Lá fui eu retocar as luzes, novidade que inventei para esconder os cabelos brancos que insistem em nascer. Seu pai ficou com você, prometi voltar rápido.
Mas eis que encontro minha amiga Graça no salão.

(E aqui eu faço um à parte. Graça tem filha adolescente, a Julia, linda linda linda de viver. Estavam as duas, mãe e filha, na sessão pé, mão, cabelo, maquiagem. Julia tinha uma festa à fantasia à noite e estava arrumando o cabelo para combinar com a roupa de grega que iria usar. Achei incrível ver que a Graça, embora tenha uma filha grandona, ainda a admira do mesmo modo que eu te admiro Mariana. Graça olha para Julia como eu olho para você. Com o mesmo olhar de surpresa constante pelo milagre que está lá na frente dela. E percebi que vai ser sempre assim. Vou sempre te admirar. Não vou enjoar nunca de te olhar apaixonadamente. Esse encantamento de ser mãe, que eu julgava acontecer somente enquanto o filho é bebê, pelo jeito vai pela vida toda. A mãe vai ser sempre fã do filho. Sempre. Mesmo se ele for juiz de futebol, roubar descaradamente e for xingado pelo Maracanã inteiro. Mãe continua amando, tenho certeza.)

Mas voltando ao salão.
Contrariando minhas expectativas, o programa mulherzinha foi uma delícia. A chatice de retocar as luzes resultou em uma tarde mais do que agradável. Conversinha, cafezinho, risadas e a cabeleira ficando com melhor aspecto. Só que a coisa toda demorou horas. Fazer luzes é uma novela. Pense bem nisso quando tiver vontade de fazer. Puxa o cabelo daqui, descolore dali, lava, coloca tonalizante, espera, lava de novo, seca....procedimento eterno que tem que ser refeito de dois em dois meses. E aí acabei me atrasando para o próximo compromisso, uma visita para a Dudinha, minha mais nova muito-em-breve-afilhada.
Cansados de me esperar, você e seu pai apareceram já no final da escova. E aí você quis colinho. E leitinho. E denguinho da mamãe. Papai pacientemente aguardando. Gracinha do lado. Julia se arrumando.
E aí Gracinha registrou nas fotos um raro momento em que estavam todas lá: a mãe, a mulher, a esposa e a amiga. Um raro momento de conciliação entre tantas facetas que a muito custo venho tentando equalizar.
Mariana, sou sua mãe acima de todas as coisas.
Mas aos poucos vou percebendo que outras Patricias ainda cabem dentro de mim.
Te amo filha querida.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Baby bum


Olha a dica aí, minha gente.
Bazar com coisas bem diferentes. Nada super barato, mas vale muito a pena. Já liguei o gastador e estarei lá no sábado.
Prepare-se Marianinha. Roupas novas te aguardam!
Confira as lojas que participam da feira no site http://www.babybum.com.br

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Dez anos!

Filha,


hoje seu pai e eu completamos dez anos de casados. E antes disso, já havíamos namorado por muitos e muitos anos. Você é fruto dessa longa história de amor, companheirismo e cumplicidade.
E você tem que saber desde já que seu pai tem um coração de ouro. Que tem alma boa. Que é de uma simpatia invejável. Que cozinha bem. Que me ajuda. E que está sempre ao meu lado.
Especialmente neste ano, quero agradecê-lo pela paciência infinita, pela mão sempre estendida e pelo carinho constante. Nesse primeiro ano em que vivemos juntos, nós três, como família, quero agradecê-lo por, gentilmente, ter cedido lugar para você. Juntos estamos nos adaptando a sermos trio. Estamos definindo cargos, lugares, posições. Estamos entendendo o funcionamento dessa família tão sonhada.
E você também precisa saber que depois que me tornei mãe, me apaixonei novamente por seu pai. Por ver a forma como ele te ama. O carinho com que ele cuida de você. O jeito como ele se emociona com você. Ver meu marido como pai foi a confirmação de que havia escolhido a pessoa certa para estar comigo nessa estrada.



Fabio,


Meu marido. Meu amigo. Meu eterno namorado.
Para você, todo o meu amor. Todo o meu respeito. Toda a minha admiração.


Te amo.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Marianês. Minha bonequinha faladeira.



Mariana,



você é uma faladeira nata. Mesmo com poucas palavras no vocabulário, não fecha a matraca um minuto sequer. E olha quantas palavrinhas você já sabe falar....



Tchau.
Você fala muito tchau. Tchau para tudo. Até para a mesa, para a cadeira, para a parede. Aliás, é uma ótima técnica para fazer você largar qualquer coisa. É só falar, vai filha, deixa o brinquedo/controle/frasco de remédio/caco de vidro aqui e dá tchau. E você larga, feliz, e faz tchaaaaau, mandando beijinhos. Ô dó.


Mamãe.
Música para os meus ouvidos. Me vê e fala mamãe. Dizem as avós que repete bastante durante o dia também. O que que eu quero mais da vida?


Papai.
Já contei no post de ontem o quanto você fala papai. Parece uma vitrola quebrada repetindo papai sem parar. Vitrola? É filha, sou do tempo da vitrola quebrada. Um dia te levo em um museu para te mostrar o que é.


Au-au.
Serve tanto para cachorro, quanto para urso, leão e às vezes até para passarinhos. Palavra versátil essa...


Água.
Você fala perfeitamente essa palavra. Começou com um tímido ‘Aua’ e agora já é um senhor “Água”. Um arraso.


Qué.
Qué, do verbo querer. Na sua língua, Eu qué, Tu qué, Ele qué, Nos qué, Vós qué, Eles qué. Você, ultimamente, qué muito danoninho. Se abro a geladeira a matraca já começa qué-qué-qué. Não gosto que você coma muitos danoninhos. Estou evitando abrir a geladeira com você por perto.


Tit ou teti.
Leite. Mas você não fala muito. Só quando eu peço para falar leite é que você repete, tit, tit, tit. Para pedir leite você só olha para a mamadeira e começa Qué!Qué!Qué! Teve um tempo que a sua avô Marisa dizia que você pensava que leite era Qué. Mas não era. Qué era Qué mesmo. E você Qué leite, oras.


Zeca.

Cachorro do vô Mario.


Quesh.

Squash. Cachorro do vô Roberto.


Xixi.

É, xixi mesmo. Se vai comigo no banheiro, vira locutora de rádio e começa, xixi, xixi, xixi, xixi. Privacidade? Não, não sei mais o que é isso não..


Cocô. Cocó.

Cocô e Cocô e Cocó é Cocoricó.E tem hora que cocó vira cocô e cocô vira cocó e aí ninguém mais sabe quem é quem.


Pablo.

O pinguim do Backyardigans. Você tinha um mini Pablo, mas o Squash (o cachorro do vô Roberto) comeu. Sua avó Marisa me ligou avisando: "- A Mariana deu o Pablo pro Squash. O Squash comeu o Pablo. O Pablo morreu." É filha, o Pablo morreu, mas cada vez que você vê o dito na Tv começa o mantra Pablo, Pablo, Pablo. E juro que você pronuncia o L do pabLo.Minha mãe disse que não era pra contar, que ninguém ia acreditar. Mas que você fala, fala.


Nenê.
Serve para você se referir a si mesma e para todos os bebês, crianças, bonecos e pelúcias do Universo. Basta ser cuti-cuti para virar nenê.


Nana nenê.

Você canta com a sua avó Marlene a música "Nana nenê,que a Cuca vem pegar". Um dueto e tanto. Você começa Nana Nenê, ela continua e você retoma "Papai"... e ela "foi na roça..."você "Mamãe" e ela "volta já". Lindo! Tá, filha, às vezes eu não volto tão "já" quanto a música diz, mas juro que me esforço, viu?


Caiu.

Começou com Quiu. Evoluiu para Queiu (que soava como uma pequena portuguesinha falando caiu) E agora você fala caiu direitinho. E serve tanto para o que caiu realmente (incluindo você mesma) quanto para o que você, deliberadamente, arremessou ao chão. Caiu uma pinoia, Marianinha. Jogou não é caiu.


Titio.

Serve para titio e tita.



Mão.

Você olha para suas mãozinhas com admiração e começão mão, mão, mão...Parece sua mãe no yôga ohm, ohm, ohm....um verdadeiro mantra. Quando quer lavar as mãos também vem agitando as mãozinhas e gritando Mão! Mão! Mão! Se aprender a falar "ao alto" já pode começar a assaltar banco.



Pé.

Vale para pé, meia e sapato. E é só ouvir a palavra que você já arranca o sapato ou meia que estiver usando. Palavra proibida quando quero te manter calçada.

É o que me vem à cabeça.
E não é lindo demais?
Filha, para uma mãe, um filho é sempre um forte candidato para a Academia Brasileira de Letras.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Papai Futebol Clube. Agora com vídeo.


Marianinha,




Você, minha desde-sempre-torcedora-fanática, deu agora para virar casaca.

Do dia para a noite virou fã número 1 do Papai Futebol Clube.

Pede colo, dá beijinho, faz charminho e canta o grito de guerra sem parar:

- Papai! Papaaaaaaaaaai! Papaiiiiiiiii! Papaiêêê!

E assim vamos.

Digo “mamãe”.

Você responde:

- Papai!!!!!!!!

Digo “dá beijinho”

Você grita:

- Papaaaaaaaaaaaaai!

Digo “bom dia”.

Você pergunta:

- Papai?

Falo “vem aqui.”

Você:

- Papaiêêê!


Nem a Gaviões da Fiel tem torcedores tão aguerridos.

E eu, filha, tal e qual a bola do jogo, fico ali, participando da partida e, volta e meia, vou para escanteio.

Triste? Enciumada?

Que nada!

Torço para esse time desde antes de você nascer!

Ótima escolha, meu anjo.

Papai Futebol Clube é meu time de coração.


ps: gravei um vídeo de você cantando o novo grito de guerra mas o Sr. Blogspot desapareceu com o ícone de postar vídeos. Se um dia ele (o ícone) voltar, atualizo esse post.


video

ps2: Sr. Blogspot não tinha nada a ver com o sumiço do ícone. Pura falta de habilidade da mamãe aqui.

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Programa HCG. Doe o seu xixi.

O que é o Programa HCG?

O Programa HCG foi criado no Brasil em 1986. O objetivo do programa é identificar mulheres no início da gravidez e convidá-las a doar urina até a 18ª semana de gestação. Através da urina doada será extraído o hormônio denominado HCG (Hormônio Coriônico Gonadotrófico). O HCG é liberado pela placenta e mantém a gravidez no início do desenvolvimento do embrião. O hormônio HCG está presente nos primeiros meses e funciona como um anti-abortivo. Ele estimula a ovulação e torna a gravidez possível. Devido às suas características, o HCG tem sido usado como matéria-prima na produção de medicamentos prescritos em tratamentos da infertilidade feminina e casos de criptorquidismo no homem (retenção de testículos). A razão principal da existência do programa é estimular a doação da urina pelas mulheres grávidas


Eu, infelizmente, só soube do programa após a 18ª semana de gestação e não pude doar o meu xixi. Minha amiga Silvana doou. Eles fornecem frascos e retiram o xixi na sua casa. Se um simples xixizinho pode tornar a gravidez possível para outras mulheres, não custa nada doar, não é mesmo?

Site do Programa HCG: http://www.programahcg.com.br/

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Too many cooks



Too many cooks spoil the broth. Muitos cozinheiros entornam o caldo. Muita gente se metendo nunca dá muito certo.
Brasileiro é palpiteiro de nascença. País repleto de especialistas em todas as áreas.Todo mundo sabe um jeito melhor de fazer tudo. Todo mundo sabe fazer o melhor churrasco, todo mundo sabe escalar melhor a seleção brasileira, todo mundo entende de Fórmula 1, política, economia e física quântica.
E no mundo da maternidade não poderia ser diferente. Basta ser mãe para se ver rodeada de palpiteiros. Too many cooks forever.
Começa assim que o bebê nasce. “- Dá o peito de três em três horas.”. “- Não, melhor quando o bebê quiser.”. “ - Põe pra arrotar assim.”. “-Não, melhor assado.” E assim vamos. Todo mundo sabe trocar a fralda melhor que você. Todo mundo sabe te dizer a hora exata em que seu filho sente fome. E sede. E sono. E tudo. Ser mãe é saber ouvir palpites. E o grande lance, é não se irritar com eles. Se a moçoila da fila da padaria te sugere uma forma milagrosa de fazer seu filho parar de chorar, sorria, ignore e faça do seu jeito.


Mariana, agora o contraponto. Não sou uma pessoa receptiva a gente palpiteira. Não tenho muita paciência pra ouvir as fórmulas milagrosas que cada um possui para isso ou para aquilo. E já na gravidez me armei toda, me preparando para os palpites dos avós, que seriam, claro, os mais frequentes,  por estarem mais próximos de nós. Me irritava só de pensar nos meus pais e nos meus sogros me dizendo como cuidar da Mariana. Tinha longos diálogos imaginários me defendendo da palpitaria geral da nação. Já tinha discursos prontos na cabeça, defendendo o MEU jeito de fazer, o MEU jeito de pensar. (tá, meio maluca, mas dê o desconto dos hormônios gravídicos, vai?)
E aí você nasceu. E reconheço tanto amor vindo dos avós, dos tios e das pessoas mais próximas, que não consigo me irritar. Juro. Ao contrário, até gosto quando vem um palpite. Pode estar 40º, se um deles me fala para te agasalhar, considero a hipótese sem titubear. Se me falam para fazer algo assim ou assado, ouço com atenção, aproveitando e absorvendo cada ensinamento. E por quê? Porque sei que te amam. Sei que te querem bem. E isso me basta. E penso que deve bastar para você também.
Filha, palpiteiros são os outros. Os que te amam, só querem ajudar.

ps1: saber diferenciar palpite, de ajuda legítima é tarefa difícil. A maturidade e o instinto são bons guias nessas horas.
ps2: tem hora que é só palpite MESMO. E, nesse, caso, mande plantar batata sem dó! Too many cooks!
ps3. Matheus, este post é para você.





sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Almoço com papai


Filha,


Hoje seu pai veio almoçar comigo. Coisa rápida, no meio do expediente. E rimos ao constatar que almoçar sem você significa...

... comer comida quente;

...começarmos e terminarmos a refeição ao mesmo tempo, sem revezamento de filha;

...não dizer nem uma vezinha sequer: “espera filha, é a última garfada mamãe já vai”,não filha, não põe a mão no prato de comida”, “não filha, não limpa a boca na minha blusa nova”, “não filha, não joga o prato no chão”, “não filha, não come o guardanapo”, “olha filha, olha que bonitinho esse pote/brinquedo/guardanapo/migalha de pão e deixa a mamãe terminar de comer”.

...fazer uma refeição inteira sem falar a palavra cocô.

Mas fique tranquila. Vamos continuar te levando para os restaurantes. Você faz falta, meu amor.











sexta-feira, 2 de outubro de 2009

O diário da princesa



Filha,

Como já contei, desde que voltei a trabalhar você fica na casa dos seus avós, um dia nos  maternos, um dia nos  paternos.

E desde o primeiro dia o seu avô Mario, pai do seu pai, me envia e-mails relatando o seu dia. São e-mails que me confortam, que me acalmam, que me informam, e que me deixam mais próxima de você durante a longa jornada de trabalho.
Sem a permissão dele, que certamente iria negar, transcrevo algumas das melhores edições do Diário da Princesa....


A minha neta tomou sol, dormiu, encheu o saco da vó , mamou e está dormindo. Nosso dia tá lindo! (9/12/08)

Bom dia,
Perdi a hora hoje mas ela logo me acordou berrando "acorda vô".
Mamou um pouco , depois começou a brincar com o bico da mamadeira, passeamos no quintal e em seguida mamou um pouco mais.
Fomos à praça tomar uma cor e desfilar seus atributos, fazendo um sucessão! Passeio de uns 45 minutos.
Na sequência tomou uma boa quantidade de suco de laranja, e aterrisou, está dormindo .
Temperatura normal , agitação normal, curiosidade cada vez maior , relutância em ficar deitada e semi sentada , faz um esforço de permaecer sentada e querendo pegar as coisas.
Em suma , como pedi a DEUS. (13/01/09)


 O pai dela chegou , deu-lhe um banho para refrescar do calor.
Comeu quase meia pera d'agua e comeria mais se lhe fosse dado.
Mais alguns minutos o pai ofereceu uma mamada que foi quase tudo.
Agora acaba de acordar de um sono reparador de quase duas horas.
Estaremos estudando a programação para as próximas horas.
Tchau (13/01/09)


Passou um belo dia!
Acaba de comer meio mamão papaia e resmungou que queria mais.
A prova do crime guardamos para vcs verem.
Tchau (22/01/09)


A Princesa, comeu:
Frutas: Manga- como nova experiencia dei pouco, resmungou querendo mais
Ameixa - adorou.
Leite: Não tendo outra coisa foi leite mesmo.
Almoço: Uma deliciosa sopa , contendo batata, couve, couve flor, abobora, tomate, cebola, alho e contra coxa de frango.complementado com 1/4 de gema de ovo cozido.
Lazer: Foi tomar uma cor na praça.
Brincou com seus brinquedos no espaço reservado só a ela.
Repouso: Fez curtos sonos repousantes.
Finalmente fez umas demostrações de capacidade física para seu pai , permanecendo por bom tempo de pé segurando-se sozinha , no seu espaço, fazendo pose registrada no celular do pai , cujas fotos não estão anexadas ao presente por ser impossível transferi-lo ao computador, por desconhecimento da técnica.
Em suma , um dia normal e como muitos sorrisos e pouquíssima manha. (17/02/09)


Complementando o relatório anterior , no inicio da manhã mamou cerca de 180 ml de leite , o antigo, porque era o que tinha na mamadeira.
Futas : ameixa , banana, e suco de laranja em várias oportunidades.
O almoço; sopa com batata doce, inhame, mandioquinha , folhas de espinafre, tomate , cebola, alho, pitada de sal e carne magra, tudo incrementado com gema de ovo cozida. Foi um pouco mais de três colheres, descendo com a ajuda de um suquinho de laranja.
Curtiu o pai , adormeceu , acordou , se desfez dos dejetos, higienizou-se, e aguarda a chegada da mamadeira, atrapalhando o vô no teclado.(19/02/09)


Ela está ótima.
Chegou assistiu a matinê, e mamou cerca de 70% da mamadeira.
Nos braços do avô adormeceu e dormiu cerca de 1 hora.
Alegre comunicativa e longe do humor da semana passada aguardou pacientemente a boia, boa parte do tempo no colo do Dadá.
Comeu uma pratada de legumes cozido com carne, contendo , batata doce, cenoura, abobrinha , tomate , espinafre, brocolis, e um risoto feito exclusivamente com o caldo do cozido acima.
Sua sede foi saciada com muito suco de fruta citrica .
Em seguida faturou uma porção de fundo de alcachofra , e deixou a marca de  sua arcada dentária em várias folhas .
O que eu não estou gostando é que ela agora arremeda o avô quando brigo com o zeca.
Quer mais ou tá bom? (24/09/09)


Está ansiosamente aguardando o almoço no colo do pai. Está ótima , falando mais do que a Hebe, e sem reclamações. Estado geral ótimo.(21/09/09)


Assistiu a Playhouse até a Olivia , faladeira e dançarina ,como sempre, tiramos a temperatura subiu um pouco , 37,8 , tomou o Tylenol , trocou a fralda, com bastante urina, avisamos o pai . Sem qualquer sinal na pele.
Mamou e agora repousa.
Fábio ligou para o médico que mandou ficar em observação.
Afora a temperatura , nada de anormal.
Fique tranquila , manteremos informada (15/09/09)


Chegou , dormiu até 10:30, assitiu a playhouse Disney, se fartou com um peixe na laranja, no colo do pai, devorou um danoninho, e foi repousar.
Dorme um sono reparador.(08/09/09)

 Assim não vale , ela está dormindo desde as 13:30.
Como posso curti-la? (24/09/09)
 
Almoço muito bem , conforme Fábio já reportou.
Brincou bastante , tomou bastante sol no quintal.
Mamou , e agora está dormindo.
Passando um dia excelente.
tchau (4/06/09)


Para sossegar seu espírito, aviso que a princesa está passando um ótimo dia, senão vejamos:
Dei um pequeno tempo para se refazer da viagem.
A liberei para se exercitar , rebolando ouvido musica, caminhar no seu jeito, correr atrás do zeca, espiar
os transeuntes , cantar , bagunçar minha sala de tv, e devolver tudo que ingeriu no dia naterior. Que meleca,
precisou até de trocar algumas peças de roupa.
Mamou razoavelmente , foi a praça , devidamente agasalhada, tomou sol , brincou com outra garota de 15 meses.voltou e agora repousa com um belo sono deitada no colo da vó tambem deitada , tendo o zeca dormindo nas pernas da vó , também.
Já está preparada a refeição com dois cardápios , um para o almoço que contém os legumes usados para
confecção do calde de carne. isto é , tomate (que é fruta) mandioquinha , cenoura, brócolis, sendo que foi usado para dar sabor ao caldo , salsão e alho poró, alem da cebola e alho.
À noite será macarrão regado ao caldo acima.
Acredito que vc aprova o quanto acima.
Tchau
Ah.... adoro vc. (4/06/09)


A PRINCESA ESTÁ PASSANDO UM ÓTIMO DIA.
POUCA TOSSE, MAS QUANDO TOSSE , ROUCA.
SEM CHORO , MANHA , OUFRES0C0U00R0A022, EU QUIZ DIZER FRESCURA , ELA QUE DATILOGRAFOU A PALAVRA ANTERIOR.
MAMOU , COMEU CAQUI, ENCHEU A PANÇA COM UM BELO ALMOÇO, CONFORME CARDÁPIO ABAIXO.
FEZ UMA INALAÇÃO, ACORDADA VIU... E O PAI LHE DEU O XAROPE.
POUCO SONO , ISTO É , VÁRIAS VEZES MAS POR PERÍODOS CURTOS.
DEVOLVEU UMA VEZ O QUE COMEU ONTEM.
ESTÁ ÓTIMA.
ALMOÇO: PAPA COMPOSTA DE ARROZ, FRANGO, TOMATE, BATATA DOCE , CENOURA E ESPINAFRE (16/04/09)



quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Temos o mundo inteiro no nosso quintal.


Mariana,


Você adora Backyardigans. Adora. Fica enlouquecida com a música de abertura, pula, dança, ri sozinha e dá tchau quando termina. Dá até dó de te ver tão empolgada com um desenho animado. É uma inocência tão grande, que até corta o coração. E porque você adora, todas as noites assistimos aos ditos cujos. Ontem não foi diferente. Os três reunidos para o seu programa favorito.
Começa o desenho.
Seu pai inicia o diálogo, se irritando com a personagem rosa:
- Eu não gosto dessa Aniqua (Uniqua, eu sei, mas ele acha que é Aniqua.E que nome é esse peloamor!?!)
Eu:
- Por quê?
Ele:
- Porque ela se acha a melhor de todas, a mais esperta...Detesto.
Eu:
- É. Acho que não gosto dela também. Gosto do Pablo (que pensava que era Paco até outro dia.)
Ele:
- Mas o Pablo é sempre o bandido...

(Silêncio. Reflito sobre o fato de Pablo ser sempre o bandido. O desenho continua.)

Eu:
- Qual deles você mais gosta?
Ele:
- Do chifrudo. O Tyrone.
Eu:
- Ah...

(Silêncio. Reflito sobre o fato do Tyrone ter chifres. Não tinha nem reparado. Continuo preferindo o Pablo, o bandido. O desenho continua.)

Seu pai:
- Esse desenho é repetido. Já assisti. Bom pra criança, que vê mil vezes a mesma coisa.
Eu:
- Nunca vi esse episódio...

(Silêncio. Você dorme. Mudamos de canal. Mais do que isso. Mudamos de vida. Hoje temos o mundo inteiro no nosso quintal. Obrigada pela leveza que você trouxe para nós. Te amo, meu anjo. Boa noite.)




terça-feira, 29 de setembro de 2009

Tenho dó da Gisele Bündchen


Desde o início deste blog quero escrever sobre os inconvenientes da gravidez. Em minha opinião, ser mãe é algo super nota 10, mas estar grávida não é, por assim dizer, uma verdadeira Brastemp.

Aposto que as leitoras/amigas/mães/blogueiras escreverão comentários dizendo que, quando grávidas, se sentiram lindas, mágicas e poderosas. E eu acredito.
Mas comigo não foi assim.
Não me sentia feia. Tampouco gorda. E o cabelo estava bem lindo, cheio de brilho. E para escrever este post tive que pensar muito para detectar o que foi que me incomodou na gravidez.
Não era a barriga. Não me sentia cansada fisicamente (com falta de ar sim, cansada, não). E sentir a Mariana se mexer era uma delícia.
Depois de muito pensar, concluo que o que me incomodava era o fato da gravidez despertar tanta curiosidade da população. Do dia para a noite você vira o centro das atenções, todo mundo te paparicando, se interessando pelos seus hábitos mais íntimos (- Tá vomitando? - Tá enjoando? - O intestino tá preso? Ah! Peloamor!). Esse interesse na minha vida intra-útero me irritava profundamente. Até o fato de alguém ceder o lugar para eu sentar me irritava. Também me enlouquecia quando alguém que alguém me dizia: - Precisamos nos encontrar. Quero te ver barriguda! Aí eu virava bicho. Eu lá era monumento para alguém querer me ver barriguda? Tenha dó! Para falar a verdade, se eu fosse listar tudo o que me irritava, esse post virava uma Bíblia. Então, ficam esses exemplos e vocês imaginem o resto.
Penso que minha natureza tímida, aliada aos hormônios da gravidez me deram esse mau humor que durou os nove meses. Hoje rio dessa minha fase hardcore, mas na época, não via graça não...
E aí tenho visto a gravidez da pobre (pobre, hehe...) da Bündchen estampada em revistas, jornais e internet. Parece até que ela escondeu o quanto pode (não sei muito bem, não acompanho de perto a evolução do Baby Bündchen), mas é todo mundo em volta da mulher, acompanhando o crescimento de cada centímetro daquela pequena barriga. É tanto interesse pela menina, que parece que é a primeira pessoa do Universo a ficar grávida (Não. Corrijo. As primeiras grávidas do Universo foram Claudinha Leite e Ivete Sangalo, nessa ordem). Ah, deixem essas moças em paz, não é mesmo?
Tudo bem, talvez a Gisele nem se incomode com esse assédio. Talvez eu esteja até mais incomodada do que ela. É fato que a celebridade vive da mídia. É fato que ela vai lucrar muito com esse bebê. Mas, juro, se fosse eu, com o meu mau humor gestacional, juro que arrebentava o primeiro papparazzo que se aproximasse. Ah, juro.


quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Ser mãe depois dos 35.



Esse tema é recorrente e divide opiniões. Vale a pena esperar para engravidar? É melhor ser mãe antes dos 35? Melhor ainda antes dos 30?
Engravidei aos 36 anos e Mariana nasceu quando eu já havia completado 37.
Não sou médica, nunca me aprofundei no tema, então minha análise é na base do mero achismo.
Se você que está lendo este post agora já está pensando “Tá vendo? Ela teve filho como 37 e deu tudo certo”, reconsidere seu pensamento.
Sim, graças a Deus deu tudo certo. Mariana é saudável. Minha gravidez foi tranquila do ponto de vista médico. Mas por que esperei tanto? Aproveitar a vida? Carreira? Momento certo?
Eu tive lá meus motivos para engravidar mais tarde. E acredito que você também tenha os seus. Mas se o ponto é só “aproveitar a vida”, como tenho escutado frequentemente por aí, pense bem. A alegria de ter um filho não tem preço.
Vá por mim. Nada, eu disse, NADA se compara à alegria de ser mãe. Nada chega nem perto desse sentimento.
Então, por que esperar tanto por algo tão bom?
Pense no dia mais feliz de sua vida. Casamento? Férias na Europa? Uma super promoção? Tudo isso passa longe, bem longe, da felicidade de ser mãe.
Então, por que adiar esse sentimento?
É claro que no meio de uma noite em claro, com uma criança chorando sem parar e você perambulando pela casa como um zumbi, você vai se perguntar “onde é que eu fui me meter?”. Mas pense que até mesmo na viagem para a Europa há esses momentos em que a gente, cansada, com bolha no pé e de saco cheio de ver museu pensa “o que é que eu tô fazendo aqui?”. Mas depois de um breve descanso ou um banho gostoso você esquece o desconforto; porque a viagem como um todo é muito mais legal do que os pequenos aborrecimentos do percurso. Com filho é igual. Tem horas que aborrece, mas no geral é muito bom.
E tem ainda as questões médicas, que não me competem discutir. Meu obstetra garantia ser seguríssimo ser mãe após os 35 e mesmo após os 40. E quem sou eu para duvidar? Quanto a esse quesito, cabe a você pesquisar e perguntar para o seu médico.
A minha conclusão é que esperei demais. Se soubesse o quanto era incrível ser mãe, teria tido filho há muito mais tempo. Por conta disso, o que mais quero hoje é viver 100 anos, para poder aproveitar mais e mais a alegria de ser mãe da Mariana.
Claro que a vida muda, claro que dá trabalho, claro que custa caro. Tem as já mencionadas noites sem dormir, tem a primeira febre, cólicas, choros, preocupações sem fim. Não vou mentir, maternidade não é tarefa fácil. Mas, como diz meu pai, “não existe almoço grátis”, não é mesmo?
Por isso, reflita. Reveja as suas prioridades, para não se arrepender depois.
Esse post é um serviço de utilidade pública. Não me use como exemplo.
Corra! Vá ser mãe!


segunda-feira, 21 de setembro de 2009

A febre. Os superpoderes. Roséola.


Mariana,


quando estava grávida eu sempre dizia que não saberia reconhecer quando você estivesse com febre. Dona de mãos eternamente frias, considero quente tudo o que toco. E aí você nasceu. E e eu te conheço tanto, que noto se você está um grauzinho só mais quente que o normal. E conheço o seu choro, o seu cheiro e as suas risadinhas. Hoje, um ano após você ter nascido, ouso dizer que te conheço como a mim mesma. Outro dia você chorou um choro esquisito, quase um gemidinho. E eu estranhei de cara. Que choro novidade era aquele? E dito e feito, horas depois uma febre e uma dor de barriga. Soube antes, porque uma pequena alteração do seu comportamento, por mínima que seja, já faz o alerta materno soar bem alto.
Não sei se te conheço tão bem porque te observo o todo o tempo ou porque somos mãe e filha, e esses vínculos tem razões sobrenaturais, sei lá.
O resultado prático dessa ligação, filha, eu não sei bem ao certo. Só espero que esses meus superpoderes possam servir para te ajudar, sempre que você precisar.

..................................................................

Escrevi esse post na segunda-feira passada. Coincidentemente, cheguei em casa à noite e lá estava você, com 38 e pouco de febre. E assim foi a semana toda. Febre que subia e descia. Eu, com meus superpoderes recém adquiridos, percebia a febre cada vez que ela voltava. E aí o trio que já conhecemos, banho morno, roupa leve e antitérmico. O vai e vem durou até a sexta-feira. Na sexta à noite chego em casa e você está com a testa e o pescoço vermelhos, cheio de pequenas manchinhas.
E aí estava a causa da febre: roséola! Confesso que fiquei até aliviada, porque pelo menos descobrimos o que você tinha. O vermelhão se espalhou pelo corpo, durou dois dias e passou! Agora você está boa, embora meio mimadinha demais, resultado dos dengos extremosos dos avós e dos pais preocupados.

Roséola. Essa já posso incluir no meu currículo de mãe de primeira viagem.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Yôga aumenta a fertilidade?


Mariana,


Olha só quanta gente barriguda!
Do lado esquerdo a Ana e do lado direito a Alê. A minha turma de yôga. A Alê é a instrutora e eu e a Ana, as alunas. O curioso é que ninguém falava em ficar grávida. Nossos encontros, todas as segundas e quintas, eram sagrados. Mas de bebês ninguém falava. E aí eu me descubro grávida. Conto a notícia animada. Um mês depois (ou nem isso, não lembro) quem engravidou foi a Alê e por fim foi a Ana.

Nunca soube das propriedades fertilizantes do yôga, mas brinco com elas que essa gravidez toda só deve ser resultado de algum ásana que a gente fez.

Resultado: você nasceu em agosto, o Arthurzinho, filho da Alê em setembro, e em outubro foi a vez da Amanda e do Fernando. Isso mesmo, a Ana teve gêmeos!

Olha o que tinha dentro dessas barrigas:

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Já sei comer sozinha ou Como distrair uma criança por dez minutos

Nasceu a Duda!

Mariana,

Mais um registro feliz para o ano de 2009. Nasceu a Duda, filha da Dedé e do Fabio. Veio ao mundo apressada. É linda e pequenina. E vai ser nossa afilhada. Quanta alegria com a chegada dessa menina!
Maria Eduarda, desejamos para você uma vida iluminada e abençoada. Que você cresça com saúde e muita sorte. Siga alegre pela vida e tenha forças para enfrentar as dificuldades. Saiba que já é muito amada e que sempre poderá contar conosco. Esperamos corresponder à altura do cargo que nos foi confiado. Estaremos sempre ao seu lado! Muitos e muitos beijos bebezinha!

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Corujices – Da série “Olha como minha filha é linda”

Mariana,

Eu sei que um dia, provavelmente na adolescência, chatonilda da silva como é o esperado para a fase, você vai ver esse blog e me perguntar:
- Mas precisava por tanta foto minha?
- Precisava ser tão coruja?
- Aliás, precisava fazer blog?

Precisava sim. E eu nem ligo se você reclamar.